Pré-Diabetes – O que é, Sintomas, Tratamento e Dieta

Pré-Diabetes - O que é, Sintomas, Tratamento e Dieta

O que é Pré-diabetes

Pré-diabetes é uma condição que significa que seu nível de açúcar no sangue está mais alto que o normal, mas ainda não alto o suficiente para que você seja diagnosticado com diabetes. A faixa de açúcar no sangue para pré-diabetes é de 100 a 125 miligramas por decilitro (mg / dL), e a faixa de A1c (hemoglobina glicada) é de 5,7% a 6,4%. A A1c calcula a média do seu açúcar no sangue em 2 a 3 meses.

Pré-diabetes geralmente não apresenta sintomas, mas quase sempre aparece antes de você ser diagnosticado com diabetes. Tratar pode prevenir problemas de saúde mais graves mais tarde. Eles variam de diabetes tipo 2 a problemas no coração, vasos sanguíneos, olhos e rins. Quando você é diagnosticado com diabetes, muitos desses problemas já estão resolvidos.

Sintomas de Pré-Diabetes

Embora a maioria das pessoas com pré-diabetes não tenha sintomas, você pode notar:

  • Sede excessiva
  • Vontade de urinar excessiva
  • Visão embaçada
  • Cansaço

Fatores de risco e causas de pré-diabetes

  • Teve diabetes gestacional ou deu à luz um bebê com mais de 4kg
  • Têm síndrome dos ovários policísticos (SOP)
  • São afro-descendentes, indígena, latinos ou das ilhas do Pacífico
  • Sobrepeso ou obesos, especialmente na barriga (gordura visceral)
  • Têm colesterol alto, triglicerídeos altos, colesterol HDL baixo e colesterol LDL alto
  • Pouca atividade física
  • Pessoas com mais de 45 anos têm maior probabilidade de ter.
  • Tenha uma cintura maior que 100 cm se você é homem e 88 cm se for mulher.
  • Come carne vermelha e processada, ou bebe bebidas açucaradas
  • Não come frutas, vegetais, nozes, grãos integrais e azeite de oliva
  • Tiver problema de sono, como apneia do sono, ou trabalhar em turnos ou turnos da noite
  • Tem um exame de glicemia alterado no sangue no passado
  • Tem doença cardíaca
  • Mostra sinais de resistência à insulina, o que significa que seu corpo produz insulina, mas não responde a ela da maneira que deveria

Exame e diagnóstico de Pré-Diabetes

O seu médico pode fazer um de três exames de sangue diferentes – o teste de glicemia em jejum, o teste de tolerância à glicose oral ou o teste de hemoglobina glicada (A1c).

Exame de glicemia em jejum

  • Normal se o seu açúcar no sangue for inferior a 100 mg / dL
  • Pré-diabetes, se o seu açúcar no sangue for 100-125 mg / dL
  • Diabetes se o seu açúcar no sangue for 126 ou superior mg / dL

Exame oral de tolerância à glicose

Primeiro, você fará o teste de glicemia em jejum. Então você vai beber uma solução açucarada. Duas horas depois, você fará outro exame de sangue. Os resultados são:

  • Normal se o seu açúcar no sangue for inferior a 140 mg / dL após o segundo teste
  • Pré-diabetes se o seu açúcar no sangue for 140-199 mg / dL após o segundo teste
  • Diabetes se o açúcar no sangue for 200 mg / dL ou superior após o segundo teste

Exame de hemoglobina glicada (A1c)

Este exame de sangue mostra o seu nível médio de açúcar no sangue nos últimos 2 a 3 meses. Os médicos podem usá-lo para diagnosticar pré-diabetes ou diabetes. Ou, se você já sabe que tem diabetes, isso ajuda a mostrar se está sob controle. Os resultados são:

  • Normal: 5,6% ou menos
  • Pré-diabetes: 5,7 a 6,4%
  • Diabetes: 6,5% ou mais

Pode ser necessário fazer o teste novamente para confirmar os resultados.

Tratamento para Pré-diabetes

O tratamento para pré-diabetes é simples:

  • Faça uma dieta saudável e perca peso. Perder 5% a 10% do seu peso pode fazer uma enorme diferença.
  • Exercício físico. Escolha algo que você goste, como caminhar. Tente fazer pelo menos 30 minutos por dia, 5 dias por semana. Você pode começar com menos tempo e praticar até meia hora, se precisar. Verifique com seu médico antes de fazer mais do que isso.
  • Pare de fumar.
  • Trate pressão alta e colesterol alto.
  • Converse com seu médico sobre medicamentos como a metformina para diminuir o açúcar no sangue, se você tiver alto risco de diabetes.

Pré-diabetes tem cura

Quando o seu médico lhe diz que você tem pré-diabetes, você pode pensar que ainda não há motivo para agir. Ou você pode assumir que definitivamente vai ter diabetes. Você precisa levar o pré-diabetes a sério, mas ainda há tempo para mudar as coisas – se você começar agora.

O objetivo é obter o nível de açúcar no sangue fora da faixa pré-diabetes e mantê-lo assim. O que você faz todos os dias faz uma grande diferença. Fazer mudanças no estilo de vida pode ser ainda mais poderoso do que tomar remédios.

Foi o que aconteceu em um grande estudo chamado Programa de Prevenção de Diabetes: pessoas com pré-diabetes que perderam uma pequena quantidade de peso através de dieta e exercícios diminuíram suas chances de ter diabetes tipo 2 em 58%, em comparação com 31% para as pessoas que tomaram apenas a metformina. Comece fazendo essas três alterações:

Perca peso

Se você está acima do peso, emagrecer é a chave para mudar as probabilidades a seu favor. Pesquisas mostram que a perda de apenas 5% a 10% do seu peso corporal costuma ser suficiente para que os níveis de açúcar no sangue voltem ao normal e evitem o diabetes ou, pelo menos, atrasem seu início.

Para atingir sua meta, limite os tamanhos das porções; cortar calorias; e coma menos alimentos com alto teor de gordura (especialmente gordura saturada), açúcar e carboidratos. Você também deve comer uma grande variedade de frutas, vegetais, proteínas magras e grãos integrais.

Faça do exercício físico um hábito

Levar uma vida ativa é uma obrigação. Fazer 30 minutos de atividade aeróbica (algo que aumente sua frequência cardíaca, como caminhar, andar de bicicleta ou nadar) 5 dias por semana (150 minutos por semana). Além disso, faça algum exercício de treinamento de força, como levantar pesos ou usar faixas de resistência, pelo menos duas vezes por semana.

A musculação cria músculos, o que ajuda a diminuir o nível de açúcar no sangue, ajuda o corpo a responder melhor à insulina (que controla o açúcar no sangue) e queima calorias, mesmo quando você não está em movimento.

Se você fuma, pare

O tabagismo está fortemente ligado ao diabetes: as pessoas que fumam têm 30 a 40% mais chances de desenvolver diabetes tipo 2 do que aquelas que não. E as pessoas com diabetes que continuam fumando têm maior probabilidade de desenvolver complicações como doenças cardíacas e cegueira. Portanto, quanto mais cedo você abandonar os cigarros, melhor.

Quando você precisar de medicamentos

Embora as mudanças no estilo de vida possam fazer maravilhas, algumas pessoas com pré-diabetes também precisam de medicação. O seu médico pode prescrever metformina se você tiver certos fatores de risco, como baixos níveis de colesterol HDL (“bom”), triglicerídeos altos (um tipo de gordura no sangue), pais ou irmãos com diabetes ou excesso de peso.

Se você tomar metformina, precisará acompanhar com seu médico. Você também precisará manter um estilo de vida saudável. Tome uma atitude agora e peça ajuda adicional ao seu médico, nutricionista ou personal trainer, se necessário.

Dieta para Pré-diabetes

Existem muitos fatores que aumentam o risco de pré-diabetes. A genética pode desempenhar um papel, principalmente se o diabetes ocorrer em sua família. No entanto, os fatores do estilo de vida desempenham um papel maior no desenvolvimento da doença. Excesso de gordura corporal e estilo de vida sedentário são outros fatores de risco em potencial.

No pré-diabetes, o açúcar dos alimentos começa a se acumular na corrente sanguínea porque a insulina não pode movê-lo facilmente para as células.

Comer carboidratos não causa pré-diabetes. A quantidade e o tipo de carboidratos consumidos em uma refeição é o que influencia o açúcar no sangue. Uma dieta cheia de carboidratos refinados e processados ​​que digerem rapidamente pode causar picos mais altos de açúcar no sangue.

Para a maioria das pessoas com pré-diabetes, o corpo tem dificuldade em diminuir os níveis de açúcar no sangue após as refeições. Evitar picos de açúcar no sangue pode ajudar.

Quando você ingere mais calorias do que seu corpo precisa, elas são armazenadas como gordura. Isso pode causar ganho de peso. A gordura corporal, especialmente ao redor da barriga, está ligada à resistência à insulina. Isso explica por que muitas pessoas com pré-diabetes também estão acima do peso.

Alimentação saudável

Você não pode controlar todos os fatores de risco para pré-diabetes, mas alguns podem ser mitigados. As mudanças no estilo de vida podem ajudar a manter níveis equilibrados de açúcar no sangue, além de um peso saudável.

Controle carboidratos com o índice glicêmico alto

O índice glicêmico (IG) é uma ferramenta que você pode usar para determinar como um determinado alimento pode afetar o açúcar no sangue.

Alimentos ricos em carboidratos de alto IG aumentam o açúcar no sangue mais rapidamente. Os alimentos com classificação mais baixa na balança têm menos efeito no seu pico de açúcar no sangue. Alimentos ricos em fibras têm IG baixo. Os alimentos processados, refinados e sem fibras e nutrientes registram alto índice de IG.

Os carboidratos refinados têm alta classificação no IG. Estes são produtos de grãos que são digeridos rapidamente no estômago. Exemplos são pão branco, biscoitos e arroz branco, juntamente com refrigerante e suco. Limite esses alimentos sempre que possível, se você tiver pré-diabetes.

Alimentos que são médios no IG são bons para comer. Exemplos incluem pão integral e arroz integral. Ainda assim, eles não são tão bons quanto os alimentos com classificação baixa no IG. Os alimentos com baixo IG são melhores para o açúcar no sangue. Incorpore os seguintes itens em sua dieta:

  • aveia em flocos
  • pão de trigo integral
  • vegetais como cenouras e verduras
  • feijão
  • batata-doce
  • milho
  • macarrão (trigo integral)

Os rótulos de alimentos não revelam o IG de um determinado item. Em vez disso, anote o conteúdo de fibra listado no rótulo para ajudar a determinar a classificação do IG de um alimento. Lembre-se de limitar a ingestão de gordura saturada para reduzir o risco de desenvolver colesterol alto e doenças cardíacas, junto com o pré-diabetes.

Comer refeições mistas é uma ótima maneira de diminuir o IG de um alimento. Por exemplo, se você planeja comer arroz branco, adicione legumes e frango para diminuir a digestão dos grãos e minimizar os picos.

Controle a porção

Um bom controle de porções pode manter sua dieta com baixo IG. Isso significa que você limita a quantidade de comida que você come. Muitas vezes, as porções que comemos são muito maiores do que os tamanhos de porção pretendidas.

Os rótulos de alimentos podem ajudar a determinar quanto você está comendo. O rótulo listará calorias, gorduras, carboidratos e outras informações nutricionais para uma porção específica.

Se você comer mais do que a porção listada, é importante entender como isso afetará o valor nutricional. Um alimento pode ter 20 gramas de carboidratos e 150 calorias por porção. Mas se você comer duas porções, consumiu 40 gramas de carboidratos e 300 calorias.

Eliminar carboidratos completamente não é necessário. Pesquisas recentes mostraram que uma dieta pobre em carboidratos (menos de 40% de carboidratos) está associada ao mesmo aumento de risco de mortalidade que uma dieta rica em carboidratos (maior que 70% de carboidratos).

O estudo observou um risco mínimo observado ao consumir 50 a 55% de carboidratos em um dia. Em uma dieta de 1600 calorias, isso equivale a 200 gramas de carboidratos por dia. É melhor espalhar a ingestão uniformemente ao longo do dia. É recomendável falar com um nutricionista sobre necessidades específicas.

Um dos melhores métodos para gerenciar porções é praticar a alimentação consciente. Coma quando você estiver com fome. Pare quando estiver cheio. Sente-se e coma devagar. Concentre-se na comida e nos sabores.

Comer mais alimentos ricos em fibras

A fibra oferece vários benefícios. Ela ajuda você a se sentir mais satisfeito, por mais tempo. A fibra acrescenta volume à sua dieta, facilitando a passagem dos movimentos intestinais.

Comer alimentos ricos em fibras pode torná-lo menos propenso a comer em excesso. Elas também ajudam a evitar o “acidente” que pode resultar da ingestão de alimentos com alto teor de açúcar. Esses tipos de alimentos geralmente oferecem um grande impulso de energia, mas você se sente cansado logo depois. Exemplos de alimentos ricos em fibras incluem:

  • Feijão e legumes
  • Frutas e vegetais com pele comestível
  • Pães integrais
  • Grãos integrais, como quinoa ou cevada
  • Cereais integrais
  • Massa integral

Cortar bebidas açucaradas

Uma única lata de refrigerante pode conter 45 gramas de carboidratos. Esse número é o carboidrato recomendado para uma refeição para mulheres com diabetes. Refrigerantes açucarados só oferecem calorias vazias que se traduzem em carboidratos de digestão rápida. A água é uma escolha melhor para saciar sua sede.

Beba álcool com moderação

Moderação é uma regra saudável para se viver na maioria dos casos. Beber álcool não é exceção. Muitas bebidas alcoólicas desidratam você. Alguns coquetéis podem conter altos níveis de açúcar que podem aumentar o açúcar no sangue.

Coma carnes magras

A carne não contém carboidratos, mas pode ser uma fonte significativa de gordura saturada em sua dieta. Comer muita carne gordurosa pode levar a altos níveis de colesterol.

Se você tem pré-diabetes, uma dieta pobre em gorduras saturadas e gorduras trans pode ajudar a reduzir o risco de doenças cardíacas. É recomendável evitar cortes de carne com gordura ou pele visível.

Escolha fontes de proteínas, como as seguintes:

  • Frango sem pele
  • Clara de ovo
  • Feijão e legumes
  • Peixes, como bacalhau, linguado, arenque, sardinha, atum ou truta
  • Mariscos, como caranguejo, lagosta, camarão ou vieiras
  • Iogurte natural com baixo teor de gordura

Cortes de carne muito magros têm cerca de 0 a 1 grama de gordura e 35 calorias por 28 gramas. As opções de carne com alto teor de gordura, como as costelinhas de porco, podem ter mais de 7 gramas de gordura e 100 calorias por 28 gramas.

Beber bastante água

A água é uma parte importante de qualquer dieta saudável. Beba água suficiente todos os dias para evitar que você fique desidratado. Se você tem pré-diabetes, a água é uma alternativa mais saudável do que refrigerantes açucarados, sucos e bebidas energéticas.

A quantidade de água que você deve beber todos os dias depende do tamanho do seu corpo, nível de atividade e do clima em que vive. Você pode determinar se está bebendo água suficiente monitorando o volume de urina quando sai. Anote também a cor. Sua urina deve ser amarelo pálido.

Exercício e dieta andam juntos

O exercício faz parte de qualquer estilo de vida saudável. É especialmente importante para quem tem pré-diabetes.

A falta de atividade física tem sido associada ao aumento da resistência à insulina, de acordo com o Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais (NIDDK). O exercício faz com que os músculos usem glicose para obter energia e faz com que as células funcionem mais efetivamente com insulina.

O NIDDK recomenda se exercitar cinco dias por semana por pelo menos 30 minutos. O exercício não precisa ser árduo ou excessivamente complicado. Caminhar, dançar, andar de bicicleta, fazer uma aula de ginástica ou encontrar outra atividade que você goste são exemplos de atividade física.

Quebrando o ciclo de pré-diabetes

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA estima que 79 milhões, ou 35% dos adultos nos Estados Unidos com mais de 20 anos, têm pré-diabetes. Talvez o mais preocupante seja que apenas 7% sabem que têm a doença.

A intervenção médica precoce é importante para detectar a condição antes que ela se transforme em diabetes tipo 2. Se você foi diagnosticado com pré-diabetes, você e seu médico podem desenvolver um plano de dieta que ajudará.